segunda-feira, 7 de julho de 2008

Apenas e simplesmente....

Chuva ácida que fere quem toca. Incontáveis gotas que viajam pelo ar, absorvendo substâncias perigosas e que acabam ferindo quem abaixo delas está. Incontrolável. Espontâneo. Uma força da Natureza, impossível de travar ou evitar...

Uma avalanche de neve. Um movimento causa o desmoronamento da grande massa. É uma reacção em cadeia que tudo arrasta, não deixando sobreviventes...

Uma doença... A podridão a avançar vagarosamente, corroendo o espírito agonizado, o odor a carne morta a pairar no ar, estagnado. Um ir sem voltar, um beco sem saída...

Vibrações no ar. Simples vibrações no ar. Viajam velozmente e nós não as podemos parar. Incansáveis. Mal compreendidas... As suas consequências são as mais graves. Com elas se salva ou se condena, ama-se ou se odeia, encarinha-se ou se destrói...

Vibrações... Apenas e simplesmente vibrações...

3 comentários:

Leto of the Crows disse...

Neste texto está patente o teu estudo a nível de Biologia e Geologia xD

Cada parágrafo mais catastrófico que o anterior: chuva ácida, avalanches, doenças, e se as vibrações não fossem do ar, chamar-lhes-ia sismos. Contudo, por mais dolorosas que sejam, têm sempre um tom de beleza letal, qual um princípe das trevas ^^

*Beijinhos*

Kath disse...

Ainda tens uma coisa para me pedir.

Black Dahlia disse...

"Tanto sofrimento, tanta dor
formam uma ilusão que tenao deixam ver a luz"

acho que em 19 anos de vida nunca vi luz no meu caminho

mas deixa la

"Tu es grande e nada te para."

grande, mas não grande coisa
:)