segunda-feira, 5 de maio de 2008

Previsões e Lamentos...


Dos Fados e suas malhas pouco sei dizer; fazem de mim um boneco quando eles são o bonequeiro. De voltas e reviravoltas uma vida está repleta (todos o sabemos), mas que a vida me leva sempre pelos caminhos que menos me agradam, isso já começa a ser certo.
Não sei ao certo se é a vida que me leva pelos caminhos ou se sou eu que os escolho, a realidade que se me depara, é que por muito que tente realizar, não me sinto satisfeito; antes ultrapassado e sempre a um passo atrás. Por períodos variados eu passo e passei, mas parece que este período de negatividade se tem estendido um pouco demasiado para além do normal. É uma tempestade de raios, uma borrasca que impede que o meu barco chegue ao seu destino, deixando-o à deriva no oceano.
Costumava saber quais eram as minhas capacidades. Era usual aprender depressa e bem e ser esperto e perspicaz. Mas agora descobri que muita gente à minha volta também o é e ainda melhor que eu. Perdi a minha especialidade, deixei de saber quais são as minhas verdadeiras capacidades... Para quê ter tantas portas abertas se depois não consigo escolher a que será melhor para eu atravessar, acabando por me quedar na entrada, indeciso e confuso, sentado no chão, moribundo e perdido... Foge-me a força de vontade e fogem-me os objectivos, ficando apenas o que é vulgar e comum, tornando-me "apenas mais um". A mim, que me julgava único e especial, um farol na escuridão...

'Mas és especial! Fazes as pessoas sentirem-se bem!' - dizem-me. Mas será? Reconheço que sim, que por vezes o faço. Mas de que vale? Porventura me sinto melhor com isso? Temporariamente sim... mas não me sinto realizado e não me dá alegria de viver. Porque depois as pessoas afastam-se e fico eu, outra vez, sozinho... É a recompensa de ser tão especial. De tentar ser fora do normal, de tentar ser eu!

Por isso passo cada vez mais tempo em frente ao teclado, navegando sem rumo ou perdendo-me nos mundos de fantasia que tanto me apelam. Sou uma alma deslocada, um anjo sem rumo e sem lar. Sim, porque já me apelidaram de anjo. Mas se assim for, se um anjo é o que sou, então as minhas asas já caíram há muito, e de anjo resta-me pouco...

Estes são os lamentos deste que não sabe o que é, não sabe para onde vai nem o que fazer. Perdido, quando todas as portas se lhe abrem ao mesmo tempo...

Anjo Caído
" I've just fallen down My wings are tumbling I can't control it I've lost my way Cause I kept looking back..."

18 comentários:

Leto of the Crows disse...

Está muito bonito, contudo reflete-se tristeza em cada palavra *snif*

Tem que mudar isso, Sr. Payne =P

Jinhux muito fofos***

The Black Dahlia disse...

nao sei porque mas acabei de ler e estou a chorar.... as tuas palavras geraram sentimentos fortes em mim agora e nao conssigo para de chorar....

a musica que estou a ouvir talvez tenha influenciado este fluxo anormal de lagrimas (the cure "trust")

acho que me vi reflectida nas tuas palavras...

é só

The Black Dahlia disse...

"mas és especial. fazes as pessoas sentirem-se bem"

mas e a ti quem te faz sentir bem?

The Black Dahlia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
PayNe disse...

Fico sentido... Parece que somos algo semelhantes, Black Dahlia. Pena que seja em algo tão negativo...

Por vezes também me apetece chorar... Já não choro há anos e cada vez que me dá vontade, não consigo chorar. Nem assim consigo libertar a angústia que me assola.

Por isso chora. Liberta-te da mágoa que se acumula. É uma forma de libertação. :)

Pois... Quem me faz sentir bem? Também não sei... Acho que ainda nao tenho quem o faça... mas sei que tenho pessoas que me conseguem aliviar um pouco os meus sentimentos. Pessoas como a cara Leto, a Kath e outros amigos, que me fazem lembrar que também há riso e alegria neste mundo. :)

Obrigado amigos!

Mas apesar de tudo, sinto o vazio...

The Black Dahlia disse...

ola, como fazes para proteger o teu blog e impedir os outros de copiar o que la escreves.

é que ja vi textos meus em dois fotolog e queria impedir que isso continua-se

please help.

The Black Dahlia disse...

"É um dos elos que me faz falta, é esse alguém que me faça feliz... A última pessoa que poderia tê-lo feito, trouxe-me uma mágoa ainda maior..."

é sempre esse o mal, o amor. o pior é que não consseguimos viver sem ele. desde sempre que o procura-mos mais ou menos conscientes disso. o mal é que nem sempre estamos preparados para o seu fim e os seus efeitos secundarios.
E eu em relação a isso ja levei muitas lições e bem pesadas. Já criaram muitos estragos no meu coração
Mesmo assim procuro-o para não ficar só.

"Mas apesar de tudo, sinto o vazio..."

os amigos nunca são tudo, por muito especiais que possam ser para nos. há sempre um canto do nosso coração que fica vazio a espera "daquela" pessoa que vai completar a nossa felicidade neste mundo.

eu escrevo muito quando sinto o vazio. pode ate me fazer mais mal, porque liberto muitos sentimentos sobrios e negros mas fico sempre mais aliviada e positiva

sorry pelo testamento. :)

continua a escrever

Kath disse...

Capacidades especiais? Não estou a ver quais possam ser as minhas, sequer, mas precisas de algumas capacidades especiais? Seres tu por ti e para ti não chega? Se não consegues ser feliz fazendo os outros felizes (coisa que me parece impossível, ainda que ser feliz sem fazer os outros felizes também me pareça impossível), tenta ser mais egocêntrico.

Há poucos meses eu era uma chorona. Agora, chorei quando um amigo me abandonou e quando a minha família sofreu, e pouco mais. Antes, qualquer coisa me afectava, qualquer dia mau. Agora, só algo que me ataque o coração (não literalmente falando, como é óbvio).

Não querendo menosprezar-te, mas penso que todas as pessoas são capazes de fazer outras sentirem-se bem, dependendo de quem serão essas outras, das ligações que têm. Sei que não é isto que queres dizer, e que és uma pessoa que esconde a tristeza com facilidade, forçando sorrisos em ti e transpondo-os para os outros, mas acho que não é apenas por isso que és especial.

Experimentas a solidão. Também já a experimentei. Estar sozinho quando tens todos à tua volta, e depois, quando estás de facto sozinho, sentir que é tudo oco, que nada te faz sorrir, que te custa levantar-te porque és irrelevante. Experimentas a solidão. Agora só sinto indiferença, uma indiferença egocêntrica que me faz vir aqui e escrever sobre mim também, quando és tu que estás mal. Demorei a perceber que não estava sozinha. Demorei a perceber que a pessoa abatida e que fingia sorrisos quando estava junto aos outros não era eu. Demorei a perceber que eu era mais que essa tristeza que me acompanhava segundo a segundo, que era também, para lá da melancolia e sentimento de futilidade, uma pessoa alegre e feita para sorrir. E foi ao perceber isso que me arranquei dessa solidão, disso e de amigos que me ajudaram durante esse tempo, consciente ou inconscientemente.

Nós fazêmo-lo, ou pelo menos tentamos. Calculo que seja o segundo caso, mas não te podemos puxar, tens de sair desse poço sozinho, por muito que te queiramos tirar de lá.

Os anjos não são anjos porque têm asas.

PayNe disse...

Antes de mais, Obrigado. :)

Mas nao. Nao chega ser eu para mim. Nao depois de ser habituado a ser o melhor entre muitos durante anos a fio. Perdi esse sentimento de ser 'especial'. Nunca me vangloriei de ser 'o melhor', nem quero, mas a verdade é que ultimamente, para cada coisa que faço, parece que estou rodeado de pessoas que o fazem melhor que eu. E isso entristece-me e faz-me frustrado. Do melhor, passei para o pior...

Talvez esteja a ser infantil ou competitivo, mas sinto que perco um pouco a minha posição nos círculos onde vivo.

Nao consigo ser totalmente egocentrico, pois sempre vivi para os outros. Nao consigo ficar parado sem ajudar e, as vezes, quando faço algo para meu benefício, sai-me tudo ao contrário...

Nao é só a solidão que me assola nem o amor que me atormenta. É também o acumular de acontecimentos inesperados que não correm como quero, a falta de tempo para fazer o que realmente gosto e o facto de eu ter várias oportunidades à minha frente, mas nenhuma ser a que eu realmente quero. Será difícil que as coisas aconteçam como eu quero, quando preciso? Mas negatividade gera negatividade e parece que vou ter de esperar até a maré virar e um acontecimento inesperado se venha a tornar bom. (lá está a passividade outra vez. O ciclo volta ao início...)

Sem vocês, meus amigos, já teria sucumbido à muito. Mas é por vocês que vivo e que mantenho esta máscara de felicidade, que no fundo não é uma máscara mas sim a minha face que naturalmente ri (talvez da ironia da vida). Juntamente com a certeza que em todas as situações que passo, passei e passarei irei aprender algo novo. Sao estas as minhas âncoras à vida.


Se os anjos não são anjos por terem asas, então o que faz deles o que são?

Kath disse...

Dizes que não consegues ser mais egocêntrico, mas ao lamentares não ser "especial" e melhor naquilo que fazes é ser, parcialmente, egocêntrico. Estás no bom caminho, se quiseres ser ainda mais egocêntrico.

Ser melhor nalguma coisa... Acho que percebo, mas não penso que te devas preocupar com isso. Há sempre alguém que nos supera, mais cedo ou mais tarde, desde que não sejamos os piores, apenas temos de aprender a viver com isso e a não desanimarmos quando alguém o faz. (E agir com modéstia, já agora, mesmo que sejamos nós a superar os outros, apesar de esta parte às vezes me falhar um bocadinho.)

Já agora, o tanas é que és o pior, acho bem que tires essa ideia na cabeça se não queres levar uma marretada, que pelos vistos é a única coisa que eu posso fazer para te acordar. Ou talvez uma grande dose de pokes. Podes escolher.

A passividade não é necessariamente má, quando é a única coisa que podemos fazer. Sucks, mas esperar requer paciência e temos de a ter.

Que raio, desde quando são as asas que fazem os anjos? Eu achava que era a sua natureza.

Leto of the Crows disse...

Bem, das pessoas que conheço és o melhor a dar abraços esmagadores de costelas xD mas falando a sério, toda a gente é melhor em alguma coisa. Pode não ser visível, ou pode-se mesmo não ter revelado, mas está lá, sempre (eu por exemplo, sou melhor em não fazer a cama, em não arrumar o quarto e em irritar as pessoas com o silêncio lol)

E a Kath tem razão... quer dizer, eu tenho razão por dizer que a Kath tem razão xD os anjos não deixam de ser anjos só por não terem asas! Os pássaros deixam de ser pássros por não terem asas? Claro que não. Eles são o que o código genético afirma serem.

O código genético sabe tudo!
O código genético é omnipotente!
O código genético é omnipresente!

Avé código genético!

(E não me venhas dizer que os anjos não têm código genético, senão levas uma lambada!)

PayNe disse...

@Kath:

Pois, mas é assim que me sinto de momento: o pior.
Quanto a acordares-me: Posso escolher os dois? :P

@Leto:

Gosto das coisas em que és a melhor! xD E obrigado pelo elogio! :P Mas mesmo assim, ambém conheço alguém melhor que eu a fazê-lo... :S Mas esse é meu amigo e pronto. xD

@todos:

Sim, são as asas que fazem os anjos. Mas não são as asas "físicas". São as "asas" mas num sentido metafórico. E um anjo sem essas asas não é um anjo; é como uma pessoa amordaçada.

Kath disse...

Claro que podes escolher os dois, achas eu EU me ia importar?

E que são essas asas, então?

PayNe disse...

Yayyy!!! Duplamente espancadooo!!!!


As asas são a Liberdade e a Paz de Espírito. Um anjo é caracterizado, a meu ver, pela liberdade que possui de ajudar ou não ajudar, de poder voar livremente sem entraves e pela sua calma perante qualquer situação, a sua atitude passiva e contempladora...

Os anjos caídos perderam as suas 'asas' e por isso se tornaram demónios, tal como nós o somos....

Leto of the Crows disse...

Kath... ele chamou-nos demónios... ò.ó
Nós somos o Mal! Uma patente muito superior aos demónios.

E quanto aos anjos serem definidos pela Paz de espírito e pela liberdade... contesto!
Um ser pode ser aprisionado e impedido de fazer aquilo que deseja. Não é por isso que perde a sua essência. Se alguém roubar a liberdade dos anjos e os impedir de praticar o bem (ou seja lá o que for), na minha sincera opinião, eles não deixam de ser anjos.

PayNe disse...

Eu quando falo em perder, refiro-me a perder em definitivo, e nao em estar coagido por alguém. Perder como em esquecer quem somos ou como em ficarmos totalmente diferente do que somos.

Kath disse...

O que referisto como características dos anjos não são só deles. Todos nós escolhemos se ajudamos ou não, e a liberdade de voar, em sentido metafórico, também a temos. Somos livres.

Quanto a esquecermo-nos de quem somos, parece-me impossível, porque somos sempre quem somos, e mudar completamente, idem. Há sempre algo de nós que permanece.

Kath disse...

*referiste